Educonomia

EVANDRO BRANDãO BARBOSA Economia, Educação, Sociedade e História

Votar na sustentabilidade do Programa de Governo

A participação do eleitor em um processo eleitoral requer preparo, para saber como votar; vota-se em um Programa de Governo. Exercer o direito de cidadão de votar não é novidade. O que é novo mesmo é o entendimento da necessidade de popularizar a prática de votar em Programa de Governo que indique sustentabilidade; somente um candidato com características de estadista elabora esse tipo de Programa de Governo.

Evandro Brandão Barbosa

O Candidato a cargo político precisa ter visão sistêmica do ambiente que se propõe a administrar. Se o ambiente é um município, o candidato precisa conhecer os aspectos sociais, ambientais, políticos, históricos, econômicos, culturais e jurídicos da sociedade formada pelas pessoas que habitam esse município. A partir desse conhecimento, com as experiências administrativas, a riqueza cultural e as suas experiências de vida, o candidato identifica dentro dessa sociedade quais pessoas poderão compor uma equipe de governo, para assim elaborarem um Programa de Governo.

O Programa de Governo do candidato precisa projetar o município em um futuro de no mínimo dez anos, com a identificação das metas a serem atingidas ano a ano e as respectivas estratégias para gerar resultados planejados. É assim que pensa um candidato com características de estadista; pensamento, planejamento e ações de quem sabe que o município tem vida própria, porque as pessoas vivem no município, realizam suas práticas sociais no município e também morrem no município; o estadista é consciente de que a vida do município continuará além do período de quatro anos de um governo. O estadista governa e constrói a governabilidade cuidando da sustentabilidade do desenvolvimento humano da sociedade; ele não é governante. Precisa-se de estadista e não de governante. A sociedade não precisa de candidato a cargo político que pense o município apenas no horizonte de quatro anos, enquanto ele for governante. Um estadista não pensa assim.

A sustentabilidade de um Programa de Governo não está em apresentar propostas diversificadas sem uma conceituação dos conteúdos, sem planejamento da governabilidade que tornará tais propostas em ações realizáveis. A sustentabilidade de um Programa de Governo não está em fazer parcerias, associações, coligações partidárias imediatistas que desvirtuam os conceitos originalmente construídos. Candidato que assume tais posturas será apenas um governante. E não é desse candidato que a sociedade precisa.

O candidato estadista tem pensamento fundamentado na sustentabilidade, e por isso constrói o Programa de Governo com equipes cujos pensamentos também são de sustentabilidade da construção do desenvolvimento humano da sociedade a ser administrada. A sustentabilidade do Programa de Governo de um candidato com características de estadista é reconhecida na integração entre as propostas apresentadas, todas elas estão conectadas com o horizonte de dez anos ou mais, para produzir resultados sustentáveis. Desse modo, o Programa de Governo de um estadista fundamenta-se em confiança. E esta é a base de formação da própria equipe do candidato estadista, confiança interna que produz uma onda de confiança externa nos eleitores conscientes dos resultados de uma administração sustentável, porque os eleitores não confiam em imediatismos; os eleitores têm planos para o futuro, têm filhos, têm netos, têm confiança em si e precisam de um candidato confiável e que inspire a confiança das pessoas que pensam no presente e no futuro do município.

O município possui área rural e área urbana. O candidato estadista sabe disso e o seu Programa de Governo abrange essas duas áreas com a mesma responsabilidade, para construir qualidade de vida sustentável com conhecimento, cultura e experiências de vida; bens intangíveis que somente um estadista e sua equipe são capazes de transformar em trabalho e gerar resultados tangíveis em ambiente de confiança. É nesse ambiente que a sociedade aprende a viver melhor, porque pode realizar as suas práticas sociais relacionadas à família, ao transporte urbano, à educação, à saúde, ao trabalho e ao lazer, enquanto o município é administrado com confiança e sustentabilidade por um estadista. Essa administração é participativa, colaborativa e compartilhada, porque o estadista sabe que o respeito às pessoas, o conhecimento, a cultura, as experiências, a vontade e a disposição para o trabalho são as ferramentas para agir e multiplicar resultados que atendam às demandas da sociedade.


Leave a Reply

Serão rejeitadas mensagens que desrespeitem a lei, apresentem linguagem ou material obsceno ou ofensivo, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou não se enquadrem no contexto do d24am.com. A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores.