Bola pro mato

BRUNO TADEU O futebol no Amazonas como você costuma ver e como você nunca viu

Seleção amazonense de 2014: da Segundinha local à Champions League

Destaque na Liga dos Campeões, carrasco do Fluminense, Neymar... Pode até parecer uma seleção de grandes craques, mas estas são atribuições dos jogadores amazonenses que mais se destacaram no ano de 2014. Entre protagonistas em grandes competições e jovens promessas que começam a se destacar, o selecionado local do ano passado mostra um desnível que comprova o sucesso de atletas que deixaram o Estado ainda jovens e atuais revelações que podem seguir o mesmo caminho. Sem sucesso na condução de Nacional e Princesa do Solimões em competições nacionais, os mais experientes que ficaram por aqui deixaram a desejar. Confira a seleção amazonense de 2014:


Caboclo e simpático, Princesa tem condições de surpreender o Santos

Nesta quarta-feira, o Santos de Oswaldo de Oliveira, Leandro Damião, Gabigol e Aranha entrará em campo na Arena da Amazônia para enfrentar o Princesa do Solimões de Michell Parintins, Edinho Canutama e Neto Manacapuru. O badalado time dos meninos da Vila, que veio a Manaus cheio de garotos promissores, vai enfrentar a equipe que reúne mais jogadores nascidos no Norte nessa Copa do Brasil.


Arbitragem polêmica foi o menor dos problemas na derrota do Princesa

O Princesa do Solimões foi prejudicado pela arbitragem contra o Paysandu, na derrota por 6 a 1 pelo jogo de ida das quartas de final da Copa Verde. Em jogada rápida, o atacante Edinho Canutama foi derrubado dentro da área pelo defensor do time paraense, mas o árbitro marcou falta fora da área. Este foi o único lance claro em que o representante amazonense sofreu as consequências de uma ação errada da arbitragem na partida. E detalhe: o placar já estava em 4 a 1 para o Paysandu no momento da falta. Bola que entrou em cobrança de falta? Lance no mínimo discutível, já que o ângulo mostrado pela TV não estava totalmente favorável à análise. Nem mesmo em câmera lenta. Pênaltis duvidosos? Claramente, não. Expulsões rigorosas? Absolutamente justas.


A seleção amazonense de 2013

Um lateral esquerdo de 38 anos que foi improvisado no meio-campo, um goleiro que ainda atua entre os juniores, um meia em aparente fase de declínio na carreira e um atacante que quase não saiu da reserva. É evidente que você, torcedor que é, jamais gostaria de ter jogadores com essas características no time titular do clube do coração. Essa formação, na verdade, nunca existiu na prática, mas é sinal de grande dor de cabeça para os que torcem pela evolução do futebol amazonense: as descrições acima são de atletas que compõem a melhor seleção possível de 2013 envolvendo apenas profissionais que nasceram no Amazonas.